Ao Fechar os Olhos


Dizem que os olhos são a janela da alma. Eu não sei quais são suas crenças, mas você pode interpretar esse pensamento dentro da sua concepção de alma e refletir que através dos olhos é permitido que a essência de cada um veja o mundo e vice-versa. Mas o que acontece quando fechamos os olhos?

Acredito que ao fecharmos as janelas, podemos nos voltar para o nosso interior e estabelecer uma conexão real com o nosso verdadeiro eu. Sempre que estabelecemos este contato, estamos vivenciando nossa espiritualidade e com isso nos tornamos seres mais conscientes. Isso pode acontecer em diversos momentos, curtos ou longos, durante um piscar de olhos ou numa meditação profunda.

 

Fica então uma grande pergunta no ar:

por que será que a maioria das pessoas não investe

mais tempo para fortalecer esta conexão?

 

Passamos grande parte dos nossos dias fazendo coisas que muitas vezes não consideramos realmente relevantes e dedicamos, quando muito, uma hora por semana para fortalecer nosso contato com nossa essência. Você acha que está fazendo o seu melhor em relação a esta área de sua vida?

Quando a resposta para esta pergunta é “não” percebo que as pessoas demonstram certo desconforto e rapidamente começam a pensar em elevar seu empenho neste quesito, mas é importante ter clareza de que aumentar esse investimento exige muito mais que uma decisão. É preciso ação e disciplina. Proponho então que pensemos na espiritualidade como algo que, para ser desenvolvido em seu máximo potencial, exige que sejamos mais disciplinados.

Ao considerarmos a disciplina nesse contexto, sugiro abandonarmos a visão ocidental, que nos remete a regras rígidas e padrões a serem seguidos. Espiritualidade é flexibilidade e leveza, não rigidez. Ao invés disso, tomemos como base a disciplina oriental, que faz das pequenas tarefas um ritual importante e que por isso merece presença para ser executado.

Como seria para você aplicar essa conduta em todas as suas atividades? A ideia é termos o compromisso de realizar o que propomos fazer pelo prazer de realizar e não pelo peso da culpa em não fazer.

Se começarmos a viver nossas vidas com esta disciplina, encontraremos em todos os pequenos momentos grandes oportunidades para vivenciarmos nossa espiritualidade e com isso nos tornarmos seres cada vez mais plenos, que mesmo com as janelas abertas, não se esquecem em momento algum de quem realmente são!

O que você pode começar a fazer DIARIAMENTE para se sentir mais conectado com sua essência?

Originalmente publicado em Março/2015 no Mural do Coach.