Pare de Existir e Comece a Viver


Você já parou pra pensar na diferença entre viver e existir?

A existência é nossa por natureza. Desde que nascemos passamos a existir na forma como conhecemos hoje e desde então podemos dizer que estamos nos desenvolvendo e crescendo. Se pudermos ter uma certeza, é que este processo irá continuar até nosso ultimo dia de vida. Todos nós existimos!

Viver, por outro lado, é uma escolha pessoal e intransferível, pois envolve experimentar nossa existência e aprender com ela de uma forma bastante profunda.

 

Estamos falando então de uma evolução que envolve nossa consciência de que a cada novo dia somos uma nova pessoa, com um novo mundo para ser explorado!

 

Se recordarmos nosso tempo de escola, podemos nos lembrar das aulas de física em que vimos um pêndulo balançando e o professor nos disse para observar a forma como o pêndulo vai e volta. Recentemente ouvi de um colega algo que mudou minha percepção. “O pêndulo não vai e volta, ele vai e vai! Cada movimento é um novo movimento!”, disse ele. Fez sentido!

Com isso em mente, podemos refletir sobre a forma como enxergamos o mundo. Cada evento que vivenciamos é um novo evento e é importante fazer uma reflexão de como você tem prestado atenção a este processo. Talvez você perceba que tem levado a vida de um modo automático, com uma rotina claramente definida e com poucas novidades.

A proposta aqui é que você faça uma mudança interna de percepção e escolha viver de forma mais plena, com atenção aos detalhes do que acontece em sua vida. Para colocar isso em prática, selecione uma ou duas atividades para começar. Na próxima oportunidade que tiver, realize estas atividades de uma forma diferente e com maior concentração. Você pode executá-las mais lentamente, ou então em uma posição diferente, enfim, veja a melhor maneira de provocar esta mudança. Faça isso tanto com atividades pessoais como também profissionais.

  • Quais novas sensações surgiram?

  • Como foi sair do automático?

Expanda esse conceito para o máximo de atividades que puder e veja a diferença que é viver ao invés de simplesmente existir! Você pode se surpreender muito com os resultados que irá obter!

Originalmente publicado em Fevereiro/2015 na Coluna Comportamento da ACIC