Somos as Nossas Crenças


Crença, por definição, é algo em que acreditamos. Simples assim. Dessa forma, tudo aquilo em que acreditamos forma o nosso conjunto de crenças e o papel que esse conjunto desempenha é de suma importância: ele define quem somos.

Reflita por um minuto sobre quem você é. Examine a fundo tudo o que lhe define e imagine que algo ou alguém te faça acreditar em algo diferente. Mudaria sua percepção sobre si mesmo? É bem provável que sim.

Podemos entender então, que desde que nascemos fomos colecionando crenças e conforme nosso discernimento foi se tornando mais apurado, pudemos escolher quais faziam sentido e quais não. Essas escolhas de alguma forma vêm nos impulsionando, mas não é raro que também nos limitem. Isso porque algumas coisas em que acreditamos nos impedem de tomar decisões e ações que fariam toda a diferença para que tivéssemos o sucesso e a felicidade que tanto buscamos. Assim, cada um de nós é aquilo que acredita ser!

Veja que quando paramos para pensar nisso, nossa responsabilidade aumenta instantaneamente, pois nossa satisfação pessoal sobre quem somos passa a depender única e exclusivamente de nós mesmos.

 

Está em nossas mãos escolher no que acreditamos

e verificar o quão impulsionador isto é em nossa vida.

 

Sugiro que constantemente você verbalize suas crenças e converse consigo mesmo para ver o quanto elas de fato fazem sentido. Esse exercício de imaginação pode ser muito produtivo, principalmente se você incluir algumas perguntas nesse diálogo que expandam sua percepção, tais como:

  • Será que existe alguém que não tem essa crença?

  • O que essa pessoa consegue fazer que eu não faço por ter a crença?

  • Se eu não tivesse essa crença, quais possíveis ganhos eu teria?

  • O que eu ganho hoje com essa crença?

Ao fazer esse exercício você perceberá que algumas crenças limitantes são mais difíceis de questionar do que outras, pois estão mais enraizadas, mas cabe a você não desistir e encontrar meios de lidar com elas. Lembre-se de que você já fez isso muitas vezes, afinal com o passar dos anos adquirindo novos conhecimentos, com certeza você passou a acreditar em coisas que antes pareciam absurdas.

Por fim, entenda que só é possível trabalhar com as suas próprias crenças, por se tratar de uma questão muito pessoal. Não tente convencer os outros, apenas mude em você aquilo que você quer que esteja mais presente no mundo. Acredite que é possível e é bem provável que você veja estas mudanças na sua realidade.

“A lei da mente é implacável.

O que você pensa, você cria.

O que você sente, você atrai.

O que você acredita, torna-se realidade.

- Buda

Qual crença te apoiou a chegar até aqui, mas não te serve mais para que você continue avançando? O que está esperando para confrontá-la?

Originalmente publicado em Setembro/2014 no Mural do Coach