Tudo O Que Vai, Volta!!


O título deste artigo está relacionado a um ditado popular, que sabiamente nos orienta a prestarmos mais atenção às coisas que oferecemos às pessoas e ao mundo, pois elas retornam para nós. Percebo que este conceito está muito enraizado para algumas questões em nossas vidas, porém, para outras, não nos damos conta de que esta máxima também é verdadeira.

Um exemplo no qual vemos este conceito sendo aplicado é quando fazemos o bem. Desde pequenos fomos ensinados que ao fazermos o bem, receberemos coisas boas e que o contrário disso deve ser evitado para que não sejamos “agraciados” com coisas ruins. Isto está relacionado a uma crença cultural que a maioria das pessoas partilha.

Imagino que exista uma parte sua que se identifica com isso que você acabou de ler e, neste caso, te convido a levar essa visão para a forma como você se comporta no seu trabalho. Procure analisar sem julgamentos, apenas observando, o que você tem oferecido diariamente na sua atividade profissional. Será que é alegria, comprometimento, capricho, honestidade, esforço e amor? Ou será insatisfação, tristeza, raiva, falta de atenção e reclamações?

 

Não sei qual resposta você deu mas, independente de qual foi, seguindo o nosso raciocínio, isso está voltando para você de alguma forma!!

 

A importância de fazer a ligação entre o que você está recebendo e o que você está oferecendo é trazer para si o poder de mudar a situação, caso ela não esteja do seu agrado.

No caso das nossas atividades profissionais, uma das formas mais óbvias de vermos o retorno das nossas ações é observarmos o dinheiro que nos é oferecido em troca do nosso trabalho, não apenas em relação à quantidade que recebemos, mas principalmente em relação ao que ele nos proporciona. Seria incoerente oferecermos insatisfação ao longo de todo o mês e simplesmente desejarmos satisfação plena quando recebemos nosso salário, não acha?

Seria incoerente, mas é o que muitos de nós fazemos! Como mudar, então, esse cenário?

O primeiro passo é nos tornarmos coerentes! Se quisermos colher satisfação, temos que plantar satisfação. Se quisermos colher alegria, temos que plantar alegria; e assim por diante. A natureza é sábia e nos mostra essa relação do dar e receber o tempo todo. Repare que isso não é uma novidade. Como eu disse logo no início, aprendemos desde pequenos a lidar com este ponto. Mas percebo que, em algum momento, deixamos de aplicar este conceito em partes cruciais da nossa vida e nossa falta de consciência faz com que não consigamos enxergar que aquilo que menos gostamos em nossa realidade está sendo, de fato, criado por nós.

Sendo assim, tome consciência de tudo o que você está oferecendo e, se necessário, faça novas escolhas em relação a isso. Perceba que estas escolhas só dependem de você! A proposta é deixar de se preocupar tanto com o que você está ganhando e focar primeiro no que você está oferecendo. É olhar mais para o que vai, confiando que é exatamente isso que vai voltar!

Como, a partir de agora, você pode assumir comportamentos mais coerentes com os resultados que você quer obter em sua vida?

Originalmente publicado em Maio/2015 na Coluna Comportamento da ACIC