Uma Coisa ou Outra...


Será mesmo que você precisa fazer esta escolha?

Desde muito pequenos a maioria de nós foi ensinada que não se pode ter tudo na vida, que temos que escolher algumas coisas e abrir mão de outras. Dentro das organizações vejo cada vez mais líderes preocupados ao elaborar suas estratégias, pois a decisão do que atingir em detrimento daquilo que sentem que precisam abrir mão causa grande angústia. No fundo, eles querem poder não abrir mão de nada e atingir todos os seus objetivos.

Não estou dizendo que isso é possível, mas também não posso afirmar que não é! Meu ponto aqui é que a crença de que não se pode ter tudo faz com que eliminemos a possibilidade de investigar um pouco mais e tentar traçar planos para atingirmos todos os objetivos que queremos dentro das empresas – e até mesmo em nossa vida pessoal.

Se começarmos a traçar estratégias com esta premissa uma coisa é certa: teremos que abrir mão de algo mesmo! Isso porque as ações oriundas dos planos traçados não irão contemplar o atingimento do resultado completo, mas sim de apenas parte dele. Repare então que por trás de suas estratégias existe uma história, que você cria e conta para si mesmo a respeito do que vai fazer ou não, do que é realmente possível. No exemplo da maioria, a história é justamente de que não é possível ter tudo.

Meu convite então é que você se proponha a testar um modelo diferente, onde inicialmente você conta uma nova história. Comece listando o que quer atingir sem pensar em exclusão, pois a ideia é realmente trabalhar com abundância no que diz respeito às suas metas. Elenque o que é importante ser atingido e saiba que nesta nova história conseguir tudo é uma mera questão de estratégia.

 

Agora aplique suas habilidades estratégicas em cada objetivo. Da mesma forma que você faria para um, faça para dois, três, quatro, quantos forem.

 

Busque perceber a interdependência existente entre eles, de forma que você possa otimizar suas ações, ou seja, pense o que você pode fazer que apoia a concretização de mais de um objetivo. Também é importante verificar a viabilidade de cada um conforme os planos são traçados, pois pode ser que um ou mais tenham que ser modificados, adaptados, mas se você parar pra pensar, é exatamente isso que acontece quando você tem apenas uma meta, não é mesmo?

Eu não sei qual vai ser o desfecho dessa nova história, mas tenho certeza de que a forma como você começou a escrevê-la abriu novas possibilidades e isso já é mais do que suficiente para que você se aproxime dos resultados que mais deseja.

Com isso em mente, de que forma você pode propagar esse conhecimento para atingir mais pessoas, inclusive da sua equipe e família, para que todos possam desenvolver e colaborar com estratégias mais abundantes?

Originalmente publicado em Agosto/2016 no Mural do Coach.