Você Quer Ser Multigeracional?


O que define uma geração? Por mais que eu já tenha lido diversos textos abordando esse tema, ainda acho difícil precisar o que define uma geração, inclusive a forma como o fim de uma e o começo de outra são apontados. Analisando com mais profundidade a questão, cheguei à conclusão que podemos ter dois olhares distintos sobre o assunto.

No primeiro e mais comum deles, vemos claramente uma distinção nas formas de pensar entre pessoas que nasceram em épocas diferentes. Pegamos essas diferenças e rotulamos que pessoas nascidas em determinado período pertencem à tal geração. Na minha visão, essa primeira forma gera diversos desconfortos, inclusive porque separa pessoas, assumindo que estas diferenças são regras e jamais poderão conviver em total harmonia.

Já no segundo olhar que proponho o foco da diferença não está nas pessoas, mas sim no momento em que estas pessoas viveram e estão vivendo. Veja bem, com o passar dos anos, o momento muda e com isso, a forma de ver e interpretar as coisas deve acompanhar esta mudança. Nada impede que qualquer pessoa acompanhe este ciclo e mude em conjunto com o momento.

 

Ao conseguir fazer isso, pouco importa o ano em que você nasceu.

O fato é que você continuará se sentindo e sendo atual.

 

Vamos pensar juntos. Uma pessoa que tem a habilidade que acabei de descrever pertence a qual geração? Se ela consegue acompanhar as mudanças e se manter em sinergia com o que está surgindo no momento atual, será que realmente é relevante o ano em que ela nasceu?

Acredito que não, seria como se ela pertencesse à própria geração atual. Consigo perceber uma série de ganhos em desenvolver essa habilidade e imagino que você também perceba. Porém, também acredito que ter essa visão não é uma tarefa tão simples. Isso porque essa postura exige uma intenção de sair do conformismo e avançar em direção ao novo, ao incerto, aceitando que sempre irá surgir uma nova forma de fazer as coisas.

Desde os tempos mais antigos, esta é uma das fórmulas para que pessoas e, porque não, corporações, se mantenham atualizadas. Como diz um amigo meu: “se as empresas de hoje não se preocuparem mais em entender e aceitar as demandas atuais, criando estratégias para lidar com isso, dificilmente estarão no mercado em 2020”.

A grande questão então é fazer uma escolha, bem pessoal e intransferível, puxando toda a responsabilidade para si.

Tal escolha vai determinar a forma como você vai enxergar as diferenças geracionais daqui pra frente e, basicamente, ela consiste em responder a seguinte pergunta:

Você prefere ficar preso à sua “geração” ou se desenvolver para se tornar uma pessoa multigeracional, que está aberta a acompanhar o momento, seja ele qual for?

Originalmente publicado em Outubro/2014 no Mural do Coach